Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Segunda-feira, 18 de novembro de 2019 - 8h33
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 018 - 10 a 16 de setembro de 1999
 
Amazônia: Explorando sem devastar...

(Fotos: Divulgação)

A Amazônia é sinônimo de grandeza, conhecida mundialmente por ter a maior floresta do mundo, o maior rio em volume de águas e um quinto das águas doces do planeta. Já teve na cidade de Manaus a principal entrada de produtos eletro-eletrônicos com preços reduzidos. Agora, os esforços estão voltados para o o turismo e a divulgação das belezas naturais.

Japoneses e visitantes estrangeiros valorizam bastante a Floresta Amazônica, considerada a quinta maravilha do mundo. O brasileiro ainda enfrenta os preços salgados dos pacotes (de 5 dias) que não saem por menos de R$1 mil. Mas esta situação tende a ser modificada e, aos poucos, turistas daqui devem se misturar em número cada vez maior com os mais de 500 que se hospedam no meio da floresta todos os finais de semana.

Uma das principais atrações é o Hotel Ariaú Towers, construído na copa das árvores, com todas as suas instalações distantes 5 metros do solo. Sua estrutura é em madeira e as diversas torres são interligadas por passarelas que, no total, somam 6 quilômetros para serem percorridas. Tem-se a sensação de estar caminhando no meio da selva, porém a salvo dela.

O ponto de partida para esta aventura é o Hotel Tropical de Manaus, de onde partem as embarcações num percurso de aproximadamente duas horas pelo Rio Negro. Os horários de saída dos barcos são às 8 e às 14 horas. A paisagem somente ressalta a imensidão e o poder da natureza. Depois de percorrer os 60 km no afluente com o mesmo nome, lá está o Ariaú, com bandeiras de diversos países.

Os turistas estrangeiros sofrem com o calor mas se encantam com cenários como os instigantes animais selvagens. Um viveiro enorme bem no meio do hotel Ariaú conta com diversas espécies de pássaros coloridos que não são mantidos em cativeiro, mas que ali permanecem devido à comodidade de ter alimento e abrigo fácil.

Os macacos estão por toda a parte e nenhuma árvore foi derrubada. Ao contrário, as passarelas tiveram que ser adaptadas. O hotel em si é bastante confortável, com quartos equipados com ar condicionado e televisão, porém do chuveiro não sai água quente. Com o calor que faz, é até um alívio.

 
Atrações

PESCA DE PIRANHA
Tudo começa com um passeio de barco pelo Rio Negro, por onde se percebe que ainda é o período das cheias : muitas vezes não se enxerga o tronco de Sapopembas, com suas extremidades lotadas de “algodão”. Então, pára-se no meio da mata e inicia-se a animada pescaria de pequenos peixes. Por não se exigir nenhuma habilidade específica, a atividade torna-se divertida.

FOCAGEM NOTURNA DE JACARÉS
“Não precisa ter medo!”, acalma constantemente o guia Sidomar. Ele, que é um nativo amazonense acostumado com a selva, desconhece que a maioria mais parece bicho do mato do que os jacarés que desfilam livremente pelas águas do Ariaú, afluente do Rio Negro. O passeio, que tem início às 20 horas, amedronta um pouco os turistas, pois todos os ruídos são novidade. Mas o primeiro encontro com os olhos brilhantes na escuridão da floresta é indescritível, tornando-se uma experiência encantadora. O condutor da canoa não hesita e agarra o jacaré pelo pescoço arrancando diversos suspiros de todos. Ele então dá um show de explicação sobre as espécies existentes na Amazônia.

CAMINHADA NA SELVA
Este passeio é bastante interessante devido ao ânimo do guia. Apesar de levar uma hora e meia, o guia pára para explicar sobre as árvores e os animais, incluindo um surpreendente inseto comestível que vive dentro de um coquinho. Vale a pena, pois os estrangeiros se divertem brincando de Tarzan no cipó!

VISITA À VILA DE NATIVOS
Apesar de um pouco cansativo por ser distante duas horas do hotel, é importante devido ao conteúdo histórico. Mas para quem veio aproveitar conhecer a natureza, no máximo terá contato com algumas espécies de pássaros, como o japiin ou a garça branca. O nascer do sol é outra imagem incomparável e pode ser acompanhado num passeio pelos que madrugam. Mas é bom saber que algumas vezes as nuvens dificultam e desapontam os que ansiosamente acompanham o avanço dos raios solares. Mas no Ariaú torna-se fácil acordar cedo visto que as atividades noturnas são poucas e não vão até de madrugada. A umidade também propicia um sono profundo que logo após o jantar incomoda e garante um bom descanso! Para os que têm mais pique, a opção é se entreter na sala de jogos ou caminhar pelas passarelas, que à noite dão um ar de Indiana Jones explorando cenários de arrepiar.

 
 Arquivo - Turismo Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 252
• Socorro oferece diversão sem parar aos turistas
Arquivo NippoBrasil - Edição 251
• Serra Negra: saúde e diversão para toda a família
Arquivo NippoBrasil - Edição 250
• Brotas: aventura, natureza e descanso
Arquivo NippoBrasil - Edição 249
• Caldas Novas é quente
Arquivo NippoBrasil - Edição 248
• Foz do Iguaçu: natureza, tecnologia e história
Arquivo NippoBrasil - Edição 246
• Pantanal
Arquivo NippoBrasil - Edição 245
• Salvador
Arquivo NippoBrasil - Edição 241
• Camboriú
Arquivo NippoBrasil - Edição 238
• Adrenalina total!!!
Arquivo NippoBrasil - Edição 233
• Floripa ou Ilha da Magia, como também é conhecida a capital catarinense
Arquivo NippoBrasil - Edição 231
• Conheça São Paulo de Metrô
Arquivo NippoBrasil - Edição 225
• Belém: capital da fé
Arquivo NippoBrasil - Edição 224
• Litoral norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 223
• Região dos Lagos
Arquivo NippoBrasil - Edição 221
• Paraty: diversão para toda família
Arquivo NippoBrasil - Edição 219
• Circuito Histórico de Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 218
• Atibaia
Arquivo NippoBrasil - Edição 217
• Foz do Iguaçu: Beleza dividida
Arquivo NippoBrasil - Edição 215
• Divirta-se nos arredores de São Paulo
Arquivo NippoBrasil - Edição 212
• Um passeio nas alturas da Serra da Mantiqueira
Arquivo NippoBrasil - Edição 210
• Onsens: Estâncias termais que garantem relaxamento e diversão
Arquivo NippoBrasil - Edição 209
• Ilha Grande
Arquivo NippoBrasil - Edição 207
• Poços de Caldas: O santuário da paz
Arquivo NippoBrasil - Edição 206
• Circuito das águas mineiro
Arquivo NippoBrasil - Edição 204
• Redescobrindo o Litoral Sul de SP
Arquivo NippoBrasil - Edição 203
• Serras Gaúchas
Arquivo NippoBrasil - Edição 201
• Socorro abre a porteira para o turismo
Arquivo NippoBrasil - Edição 200
• Circuito das águas
Arquivo NippoBrasil - Edição 198
• Santos: Muito além do Jardim
Arquivo NippoBrasil - Edição 192
• Maranhão, o segredo do Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 190
• Histórias do Grande Sertão Veredas em Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 188
• Turismo ecológico no Rio Grande do Norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 184
• Península de Maraú: uma delícia baiana
Arquivo NippoBrasil - Edição 180
• Pirenópolis, um pedaço do Cerrado Brasileiro

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

140 usuários online