Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sexta-feira, 15 de novembro de 2019 - 2h33
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 068 - 31 de agosto a 6 de setembro de 2000
 
Cananéia: “tesouro” no litoral de SP
Distante de São Paulo 209 km, município foi fundado em 12 de agosto de 1531
por Martim Afonso de Souza. A região lagunar Iguape-Cananéia é formada por um conjunto de ilhas que cercam grande massa de água salobra

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Fundada em 1531, Cananéia era uma cidade utilizada pelos navegadores espanhóis e portugueses como ponto para reabastecimento de alimentos e de água e reparos nas embarcações e seus equipamentos. Chegando a ter o porto mais importante de São Paulo com muitos estaleiros para escoar produções agrícolas e minerais e uma industria naval bem conceituada.

Naquela época os ataques de piratas e índios eram comuns. Para se defender, os navegadores construíram na Praça Martim Afonso de Sousa a igreja de São João Batista. O edifício do século 16, sem janelas e com enormes e fortes portões, tinha espaço suficiente para que os nativos pudessem colocar através de suas fendas mosquetões para atirar nos invasores.

O museu municipal é um desses casarões, guarda peças utilizadas para pesca, construídas artesanalmente pelos caiçaras locais. Tendo como o objeto mais interessante o segundo maior tubarão branco pego nas águas do oceano Atlântico, pesando 2,5 mil kg e medindo 5,5 metros.

A região onde está Cananéia é formada por um conjunto de ilhas que cerca grande massa de água salobra. Apresenta uma configuração bastante complexa, sobretudo pelo formato alongado e estreito que caracteriza a porção situada mais ao sul.

O corpo principal do sistema forma um canal de largura média de 1 km, com comprimento de 75 km, seguindo paralelamente à costa, limitada ao norte e ao sul pelas Barras de Icapara e de Cananéia.

O leito principal na altura de dois terços de seu comprimento (em direção ao sul), reparte-se em dois braços: um externo, Mar de Cananéia, e um interno, Mar de Cubatão, que delimitam a Ilha de Cananéia. Na parte Sul, situa-se a Baía de Trapandé, correspondente à zona mais ampla do sistema.

Costão Rochoso

Em muitos pontos do litoral aparecem formações rochosas de tamanhos e formas variadas, em contato direto com o mar, formando barreiras sujeitas ao constante embate das ondas, à ação dos ventos, de chuvas e variações de temperatura. Nesses costões rochosos, tipos variados de algas conseguem se fixar tanto nas partes permanentes submersas quanto nas porções emersas durante as marés baixas. O trabalho abrasivo das areias e da água do mar vai resultando na construção de entradas nas rochas onde, cada vez mais se fixam algas e inúmeros invertebrados marinhos.

As águas marinhas do sul e sudeste do Brasil são caracterizadas pela ação de duas correntes, uma quente vinda do norte, a Corrente do Brasil e outra fria, vinda do sul, a Corrente das Malvinas. O seu encontro possibilita a mistura de faunas características tanto dos mares austrais como de águas tropicais. Por isso, nos costões de Cananéia podem ser encontrados o pinguim de Magalhães, a baleia branca, e peixes típicos da fauna caribenha.

 

O que ver e conhecer na cidade

• Museu Municipal de Cananéia: fotografias, documentos, artesanato de pesca, exemplar empalhado do maior tubarão branco apanhado nas águas da região.

• Museu da Base de Pesquisa do Instituto Oceanográfico/USP, coleções de animais marinhos.

• Igreja de São João Batista, construída pelos jesuítas em 1577, restaurada em 1769.

• Casario colonial, algumas fachadas, paredes e telhados mostrando antigos tipos de construção.

• Argolões, nas proximidades do porto, argolas de ferro presas em pedras, onde Martin Afonso de Souza atracou suas caravelas.

• Morro de São João com altura aproximada de 120 m. Há uma trilha de forte aclive, saindo da SABESP onde se deve pedir autorização a um funcionário de plantão, tendo uma vista geral da cidade e do relevo da região (serras, planícies e estuário).

 

As principais praias

Prainha
Cercada por mangues, tem areias finas e escuras banhadas pelas águas mansas do canal

Ilha do Pereirinha
São 100 metros de areias claras à beira das águas calmas do canal, com vista da cidade

Ilha do Itacuruçá
Fica perto da Ponta do Perigo, onde bancos de areia submersos, correntezas e ondas fortes aterrorizam os navegadores

Ipanema
Um círculo de pedras forma uma piscina no mar rente aos costões, que se estendem 4 km para o sul – é ideal para mergulhadores

Ilha do Bom Abrigo
É uma ilhota alta e rochosa, perto da Ilha do Cardoso. É proibido passar a noite lá, mas é possível aproveitar o dia para conhecer a praia e costões com bons pesqueiros

Camboriú
Enseada de areias claras e finas, à sombra da mata densa que chega até a praia. O mar esconde parcéis submersos e uma ilhota, excelentes para mergulho ou pesca

Ilha do Cardoso, uma beleza à parte

De todos os pontos turísticos de Cananéia, um em especial chama a atenção dos visitantes. Trata-se da Ilha do Cardoso. O único acesso ao local é partir de Curitiba ou São Paulo, pela Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), seguindo até a cidade de Pariquera-Açú. De lá, só existem duas opções: ir em direção a Cananéia pela SP-226 ou seguir 37 km de estrada de terra até Ariri.

A abertura da Ilha do Cardoso ao ecoturismo é resultado de um plano colocado em prática pela administração do parque com a comunidade local. A ilha é uma das unidades de conservação que estão inseridas no Projeto de Preservação da Mata Atlântica.

Na Ilha do Cardoso existem costões rochosos, dez praias extensas, rios, 14 cachoeiras e montanhas. Tudo isso em meio a manguezais, restinga, dunas e floresta atlântica.

Quem vai à Ilha do Cardoso tem duas opções para se hospedar. O Núcleo Perequê ou a Vila do Marujá. A primeira é a base operacional do parque. De lá é possível fazer passeios por quatro trilhas interpretativas. Uma boa dica é o passeio pelo manguezal, onde, depois de muitas brincadeiras, o turista pode cair no Rio Perequê ou tomar um banho na Praia do Pereirinha.

Na Vila do Marujá, vilarejo de pescadores, existem três pousadas. Dali é possível conhecer a Praia do Fole, Laje, Tapera, Enseada da Baleia e Pontal do Leste. Passeios de barco também são realizados.

 Arquivo - Turismo Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 252
• Socorro oferece diversão sem parar aos turistas
Arquivo NippoBrasil - Edição 251
• Serra Negra: saúde e diversão para toda a família
Arquivo NippoBrasil - Edição 250
• Brotas: aventura, natureza e descanso
Arquivo NippoBrasil - Edição 249
• Caldas Novas é quente
Arquivo NippoBrasil - Edição 248
• Foz do Iguaçu: natureza, tecnologia e história
Arquivo NippoBrasil - Edição 246
• Pantanal
Arquivo NippoBrasil - Edição 245
• Salvador
Arquivo NippoBrasil - Edição 241
• Camboriú
Arquivo NippoBrasil - Edição 238
• Adrenalina total!!!
Arquivo NippoBrasil - Edição 233
• Floripa ou Ilha da Magia, como também é conhecida a capital catarinense
Arquivo NippoBrasil - Edição 231
• Conheça São Paulo de Metrô
Arquivo NippoBrasil - Edição 225
• Belém: capital da fé
Arquivo NippoBrasil - Edição 224
• Litoral norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 223
• Região dos Lagos
Arquivo NippoBrasil - Edição 221
• Paraty: diversão para toda família
Arquivo NippoBrasil - Edição 219
• Circuito Histórico de Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 218
• Atibaia
Arquivo NippoBrasil - Edição 217
• Foz do Iguaçu: Beleza dividida
Arquivo NippoBrasil - Edição 215
• Divirta-se nos arredores de São Paulo
Arquivo NippoBrasil - Edição 212
• Um passeio nas alturas da Serra da Mantiqueira
Arquivo NippoBrasil - Edição 210
• Onsens: Estâncias termais que garantem relaxamento e diversão
Arquivo NippoBrasil - Edição 209
• Ilha Grande
Arquivo NippoBrasil - Edição 207
• Poços de Caldas: O santuário da paz
Arquivo NippoBrasil - Edição 206
• Circuito das águas mineiro
Arquivo NippoBrasil - Edição 204
• Redescobrindo o Litoral Sul de SP
Arquivo NippoBrasil - Edição 203
• Serras Gaúchas
Arquivo NippoBrasil - Edição 201
• Socorro abre a porteira para o turismo
Arquivo NippoBrasil - Edição 200
• Circuito das águas
Arquivo NippoBrasil - Edição 198
• Santos: Muito além do Jardim
Arquivo NippoBrasil - Edição 192
• Maranhão, o segredo do Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 190
• Histórias do Grande Sertão Veredas em Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 188
• Turismo ecológico no Rio Grande do Norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 184
• Península de Maraú: uma delícia baiana
Arquivo NippoBrasil - Edição 180
• Pirenópolis, um pedaço do Cerrado Brasileiro

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

291 usuários online