Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Terça-feira, 17 de setembro de 2019 - 17h37
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 073 - 5 a 11 de outubro de 2000
 
Navegando pelas águas de Hamanako

A junção de Hamanako com o mar ocorreu após um terremoto em 1498...

... abrindo a passagem onde hoje está construída a ponte que une Hamamatsu e Toyohashi
 

(Fotos: Divulgação)

Hamanako, ou lago Hamana, acompanhou muitas histórias do feudalismo japonês. Antigamente não tinha ligação com o mar, numa época em que Quioto ainda era capital do país e o lago era conhecido como Totsuumi. Há 300 anos, as águas de Hamanako eram a única rota dos viajantes que saíam de Tóquio para Osaka. Os moradores da região contam que eles tinham que passar pela via Tokaido 53, atravessar o lago em barcos e parar no Arai no Sekisho, uma espécie de guarita onde só era permitida a passagem se o viajante mostrasse a tegata - um tipo de identificação feita de madeira - e que hoje se tranformou em museu.


Lago oferece opções esportivas
A sua junção com o mar ocorreu após um terremoto em 1498 que provocou um macaréu (encontro das águas do rio com o mar), abrindo a passagem onde hoje está construída a ponte que une Hamamatsu e Toyohashi. Em 1870, o contorno de Hamanako era diferente e foi sendo modificado com a erosão da região. A primeira ponte do lago foi Teryu Gawa, construída por Kimpara Mezem, que depois determinou a construção de Beten, em 1901 (ano 14 da dinastia Meiji).

Localizado na parte sudoeste da Província de Shizuoka, praticamente fazendo fronteira com Aichi, Hamanako é considerado um dos maiores e mais importantes lagos do Japão. Os números comprovam: Hamanako cobre uma extensão de 65 quilômetros, suas margens têm 127 quilômetros e a profundidade chega a 12,2 metros. Por conter águas doce e salgada, a proliferação de espécies marítimas é facilitada. São 338 tipos de peixes, 59 de crustáceos e 84 de moluscos, além da cultura de algas marinhas (nori).

Nos arredores de Hamanako, são famosos os restaurantes que servem unagi (enguia) e ostras retiradas das águas rasas do lago. A procura por este prato é tamanha que a produção local não é suficiente, sendo preciso a importação de enguias da Coréia, Filipinas e Taiwan, regiões onde o sabor do peixe preparado é idêntico ao produzido pelos melhores restaurantes japoneses.

Harada Semuemom foi quem começou a pesca e a cultura de unagi em Arai Machi e foi por muito tempo o peixe “preferido” dos japoneses. Mais tarde, Nasuda Matahichi também tentou criar o unagi, mas ambos não foram bem-sucedidos, segundo a história. A procriação de enguias começou a dar certo quando um comerciante chamado Hatori Koajiro ensinou a Nakamura Masassuke os métodos de uma piscicultura correta que lhe garantiu a primeira colocação entre todos os criadores de enguia pela qualidade dos peixes.

 

Hamanako está localizado na parte sudoeste da Província de Shizuoka
 

Esportes que podem ser praticados na região

PESCA
Hamanako oferece todas as suas margens, pois qualquer ponto é local de boa pesca. É aconselhável procurar os locais de maior concentração de pescadores para ter sucesso.

Se a sorte ajudar, é possível apanhar o supon, espécie de tartaruga muito apreciada e caríssima. O camarão carro, chamado de kuruma ebi porque tem listas parecidas com os raios de uma roda, é muito apreciado se for comido cru, enquanto vivo, só retirando a casca.

Segundo pescadores da região, o baka kai, ou ostra boba, tem tamanho grande, mas a carne não é gostosa. Na região, o tai (pargo) é abundante porque se alimenta de pequenos camarões e frutos do mar que são fartos no lago. O peixe é apreciado pelos japoneses por causa de um sentido simbólico.

Em festas em que são servidos o tai, a expressão usada é oiwai no toki wa tai, daí as palavras omedetai (parabéns) e arigatai (agradecimento). Em cerimônias fúnebres jamais se oferece um prato feito com o peixe tai, porque significa uma falta de respeito comer um peixe oferecido em cerimônicas alegres quando se lamenta a morte de alguém.


No local existem locadoras de jet-sky e barcos

BANHOS DE MAR
Quem começou a explorar os banhos de praia de Hamanako foi Nassuda Matahitchi, na ilha de Ben-tenjima. É folclórica a história que Nassuda passou por várias dificuldades porque não recebia visitantes.

De repente, uma mulher de Hamamatsu, que se encontrava doente, propagou o boato de que tinha ficado boa com as águas termais de Bentenjima.  A partir daí, Nassuda se viu obrigado a construir um ryo-kan (hospedaria), para receber os turistas vindos de todo o Japão que, além dos banhos, procuravam se divertir nas águas medicinais de Bentenjima.

ESPORTES AQUÁTICOS
Os mais diversificados esportes aquáticos podem ser praticados no lago Hamana, desde pesca, esqui aquático e windsurf. No local existem locadoras de barcos à vela, jet-sky e barcos.

 
 Arquivo - Turismo Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 254
• Templo Horyuji
ARQUIVO - EDIÇÃO 247
• Niigata
ARQUIVO - EDIÇÃO 244
• Monte Fuji
ARQUIVO - EDIÇÃO 242
• Okinawa
ARQUIVO - EDIÇÃO 240
• Hokuriku
ARQUIVO - EDIÇÃO 236
• Nikko: a cidade dos santuários
ARQUIVO - EDIÇÃO 232
• Kamakura
ARQUIVO - EDIÇÃO 229
• Yamanashi
ARQUIVO - EDIÇÃO 227
• Okayama
ARQUIVO - EDIÇÃO 222
• Hakone
ARQUIVO - EDIÇÃO 220
• Osaka
ARQUIVO - EDIÇÃO 216
• Iwate
ARQUIVO - EDIÇÃO 214
• Ilha de Sado
ARQUIVO - EDIÇÃO 211
• Hokkaido - Tudo começou em Naka Furano
ARQUIVO - EDIÇÃO 208
• Kansai - Redescobrindo as belezas da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 205
• Soka
ARQUIVO - EDIÇÃO 202
• Hirakata
ARQUIVO - EDIÇÃO 199
• Niigata
ARQUIVO - EDIÇÃO 197
• Tohoku
ARQUIVO - EDIÇÃO 195
• Tóquio e arredores: belezas que encantam
ARQUIVO - EDIÇÃO 193
• Chugoku-Shigoku: O coração do Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 191
• Okinawa: Uma região de paraísos subtropicais
ARQUIVO - EDIÇÃO 189
• Nagasaki - O berço cristão japonês
ARQUIVO - EDIÇÃO 187
• Shimabara
ARQUIVO - EDIÇÃO 185
• Tottori: O Saara japonês
ARQUIVO - EDIÇÃO 183
• Matsue - A herança intacta dos samurais
ARQUIVO - EDIÇÃO 181
• Chiba conserva folclore cultural da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 179
• Okutama: Refrescando-se nas montanhas
ARQUIVO - EDIÇÃO 177
• Mito: A cidade de um dos mais belos jardins japoneses
ARQUIVO - EDIÇÃO 175
• Izu - O paraíso das águas
ARQUIVO - EDIÇÃO 173
• Kyoto: Cenário de três mil templos
ARQUIVO - EDIÇÃO 171
• Chindon-ya
ARQUIVO - EDIÇÃO 169
• Toyama no Kusuri
ARQUIVO - EDIÇÃO 167
• Sensooji o templo do Carnaval
ARQUIVO - EDIÇÃO 165
• Odaiba: a face futurista de Tóquio
ARQUIVO - EDIÇÃO 163
• Todaiji: o templo do grande Buda de Nara
ARQUIVO - EDIÇÃO 161
• Ryuhyoo: O gelo navegante de Hokkaido
ARQUIVO - EDIÇÃO 159
• Hokkaido, o inverno mais gelado do Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 134
• Yamanashi:
A Terra dos Lagos
ARQUIVO - EDIÇÃO 130
• Okayama
ARQUIVO - EDIÇÃO 128
• Osaka
ARQUIVO - EDIÇÃO 126
• Okinawa: Ryukyu, Soberano dos Mares do Sul
ARQUIVO - EDIÇÃO 124
• Kamakura
ARQUIVO - EDIÇÃO 122
• Monte Fuji e os Cinco Lagos

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

234 usuários online