Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Segunda-feira, 18 de novembro de 2019 - 7h49
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 084 - 21 de dezembro de 2000 a 3 de janeiro de 2001
 
Floradas na Serra: chocolate, paisagem
européia e muito sossego em Gramado
Arquitetura típica e natureza é o que mais chama a atenção dos turistas da Serra Gaúcha, notória pela atmosfera européia. Se você já esteve do outro lado do Atlântico, é em Gramado, a uma hora e meia de carro de Porto Alegre, que dá para matar saudades. Se não foi, é lá que pode-se imaginar como é conhecer aquelas cidadezinhas típicas do Velho Continente.

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

O que mais chama a atenção é que as casas e os pequenos edifícios têm arquitetura típica, com telhados, portas e janelas decorados. É o estilo bávaro, herança dos colonos alemães e italianos. Janelas bay window, largas e geométricas, permitem a entrada de luz nas residências. Os moradores cultivam os jardins com paciência de Jó. Mesmo no inverno rigoroso, há flores no gramado, nas calçadas e floreiras, dos mais variados formatos e cores. São cravinas, begônias, rosas, amores-perfeitos, azaléias, lírios, margaridas, flores-do-campo e, finalmente, as hortênsias.

Estas flores viraram um dos símbolos locais e estão por toda parte. Em novembro e dezembro, elas dão um tom azul aos cartões-postais da cidade. Mesmo quando não estão floridos, os arbustos de hortênsias, com folhas verde-escuras, largas e serrilhadas, se destacam até na estrada que leva à Gramado.

É uma celebração da natureza, muito elogiada pelos turistas, que também encontra eco no Lago Negro, um lago artificial de águas escuras, inspirado na Floresta Negra alemã e projetado para ser um eterno campo de lazer. Além de caminhar em volta do lago, observando os ciprestes e álamos – árvores importadas direto da Europa -, é possível andar de pedalinho, com a sensação de estar curtindo uma típica paisagem estrangeira.

Outras atrações são bem representadas pelo Mini Mundo – uma réplica em miniatura de uma cidade alemã – e a Aldeia do Papai Noel, um pequeno parque onde o visitante conhece a casa do bom velhinho em qualquer época do ano. É um chalé adaptado que abriga todos os apetrechos do estilo de vida de Noel. O ingresso para estes dois lugares custa em média R$ 4 por pessoa.

PÓRTICO E CINEMA

Tem-se a impressão que Gramado é um lugar especial já na entrada da cidade ao ver o famoso pórtico, feito de basalto em estilo italiano, com bandeiras e letras góticas anunciando com orgulho o nome da cidade.

O turista também encontra uma saborosa comida típica. Rodízios de foundue, restaurantes alemães e italianos e muito café colonial fazem a alegria dos gastrônomos. Pode-se comer fartamente em algumas casas que apresentam ao turista uma variedade enorme de queijos, pães, cafés, chocolates, sucos, frios, vinhos. Doces que não têm fim: tortas, bolos, doces, sobremesas, biscoitos, cremes, uma aflição para os gordinhos. Mas uma delícia para os apreciadores de chocolate. Há quatro marcas que produzem deliciosos chocolates artesanais e deliciosas variações como trufas e bombons. O artesanato que a região produz não podia deixar de seguir a linha colonial, como os móveis, por exemplo. De madeira escura, jogos de quarto, sala de jantar são feitos para durar anos.

Tudo pode ser encontrado no centro que tem como eixo principal a Avenida Borges de Medeiros. Desde novembro, uma rua coberta foi montada especialmente para o comércio natalino.

Mas se o interesse às vezes tende para o etéreo, vale a pena dar uma olhada em duas igrejas que servem aos fiéis de Gramado. A igrejinha de pedra escurecida, bem na avenida central, atende aos católicos, já a outra, evangélica, ou a “igreja do reloginho” como é conhecida, fica no alto de um pequeno morro e é cercada de araucárias e arbustos de hortênsias.

POTENCIAL TURÍSTICO

Gramado não permite edifícios com mais de quatro andares. Com 34 mil habitantes, a terra do Festival de Cinema quer manter o ar de cidade pequena, sem se incomodar com o progresso da grande Porto Alegre. O comércio também sabe administrar o seu potencial turístico, absorvendo o que o setor traz de bom: empregos e desenvolvimento. Este é só o começo. Há ainda mais de 100 restaurantes registrados na cidade de Gramado. A região de Gramado que é vizinha a Canela, apenas a 7 quilômetros de distância, tem uma grande rede de hotéis com disponibilidade para 5.800 leitos com previsão para que o número dobre num período de dois anos, estrutura necessária para acomodar os turistas.

Com temperatura atingindo 2 graus negativos no inverno, os colonos europeus adaptaram-se bem à região e puderam manter o estilo de vida quase camponês, mantendo pequenas propriedades rurais, com gado leiteiro e plantações modestas.

Mas foi um forasteiro que, apostando no potencial turístico de Gramado, multiplicou os dotes daquela pequena cidade, arquitetando belíssimos lugares, como o Lago Negro. O agrimensor Oscar Knorr também foi o responsável pela difusão das hortênsias pela cidade. É no Lago Bier, outro lago artificial projetado por Knorr, que acontecem apresentações na época do Natal, com concertos e apresentações de coral.

Neste momento, os turistas estão comprando presentes de fim de ano, enquanto os filhos passeiam de “trenzinho”. Provavelmente, devem estar fascinados com a quantidade admirável de papais-noéis, renas, pinheirinhos e bibelôs dourados e multicoloridos do comércio, mas não vêem a hora da noite chegar para encher os olhos com o brilho das luzes natalinas. Todas as casas têm luzes, os postes, os vasos, os canteiros e a praça principal. Se nevasse em dezembro o clima ficaria completo.

 

Cascata de 131 metros em Canela

Fala-se que Canela é a cidade irmã de Gramado. Que não dá para visitar Gramado e não passar por Canela, que tem atrações tão interessantes quanto sua vizinha.

Os 31 mil habitantes da cidade se orgulham de locais belíssimos, como a Catedral - Igreja de Nossa Senhora de Lourdes. Em estilo gótico, este imponente edifício tem uma torre de 65 metros quadrados e um corrilhão de 12 sinos. Pedras de basalto, mineral comum na região, foram usadas na construção da igreja. Já o Castelinho do Caracol, uma casa que fica no meio estrada, vende deliciosas tortas de maçã. Mas, impressionante mesmo é a Cascata do Caracol com 131 metros de queda livre, localizada dentro do Parque do Caracol. Para quem tem fôlego fica à disposição uma escada com 927 degraus - correspondente a um prédio de 63 andares – que leva ao pé da cascata. No parque o visitante encontra tempo para caminhadas e, se tiver sorte, encontra alguns animais em meio à mata nativa.

 
 Arquivo - Turismo Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 252
• Socorro oferece diversão sem parar aos turistas
Arquivo NippoBrasil - Edição 251
• Serra Negra: saúde e diversão para toda a família
Arquivo NippoBrasil - Edição 250
• Brotas: aventura, natureza e descanso
Arquivo NippoBrasil - Edição 249
• Caldas Novas é quente
Arquivo NippoBrasil - Edição 248
• Foz do Iguaçu: natureza, tecnologia e história
Arquivo NippoBrasil - Edição 246
• Pantanal
Arquivo NippoBrasil - Edição 245
• Salvador
Arquivo NippoBrasil - Edição 241
• Camboriú
Arquivo NippoBrasil - Edição 238
• Adrenalina total!!!
Arquivo NippoBrasil - Edição 233
• Floripa ou Ilha da Magia, como também é conhecida a capital catarinense
Arquivo NippoBrasil - Edição 231
• Conheça São Paulo de Metrô
Arquivo NippoBrasil - Edição 225
• Belém: capital da fé
Arquivo NippoBrasil - Edição 224
• Litoral norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 223
• Região dos Lagos
Arquivo NippoBrasil - Edição 221
• Paraty: diversão para toda família
Arquivo NippoBrasil - Edição 219
• Circuito Histórico de Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 218
• Atibaia
Arquivo NippoBrasil - Edição 217
• Foz do Iguaçu: Beleza dividida
Arquivo NippoBrasil - Edição 215
• Divirta-se nos arredores de São Paulo
Arquivo NippoBrasil - Edição 212
• Um passeio nas alturas da Serra da Mantiqueira
Arquivo NippoBrasil - Edição 210
• Onsens: Estâncias termais que garantem relaxamento e diversão
Arquivo NippoBrasil - Edição 209
• Ilha Grande
Arquivo NippoBrasil - Edição 207
• Poços de Caldas: O santuário da paz
Arquivo NippoBrasil - Edição 206
• Circuito das águas mineiro
Arquivo NippoBrasil - Edição 204
• Redescobrindo o Litoral Sul de SP
Arquivo NippoBrasil - Edição 203
• Serras Gaúchas
Arquivo NippoBrasil - Edição 201
• Socorro abre a porteira para o turismo
Arquivo NippoBrasil - Edição 200
• Circuito das águas
Arquivo NippoBrasil - Edição 198
• Santos: Muito além do Jardim
Arquivo NippoBrasil - Edição 192
• Maranhão, o segredo do Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 190
• Histórias do Grande Sertão Veredas em Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 188
• Turismo ecológico no Rio Grande do Norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 184
• Península de Maraú: uma delícia baiana
Arquivo NippoBrasil - Edição 180
• Pirenópolis, um pedaço do Cerrado Brasileiro

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

58 usuários online