PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Terça-feira, 12 de dezembro de 2017 - 8h13
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


.

Opinião - Edição 585 - Jornal NippoBrasil

Balança comercial

Teruo Monobe*

Duas notícias, uma boa e outra má. Primeiro a boa: a balança comercial agrícola chegou ao superávit de US$63 bilhões, com exportação total de US$76,4 bilhões. A má notícia: a balança industrial teve déficit de US$37 bilhões. A partir dessas duas notícias, decorre uma série de outras boas e más, que passaremos a comentar a seguir. O leitor pode se entreter dividindo as boas e as más notícias deste artigo, como se fosse um jogo de bem-me-quer e mal-me-quer.

A importação de produtos industriais aumentou 40%, enquanto as exportações só cresceram 23,5%. Duro é constatar que boa parte das exportações foi de mercadorias produzidas com componentes ou matérias-primas importadas. Por outro lado, outra má notícia é que apenas cinco commodities (minério de ferro, petróleo bruto, soja, açúcar e complexo carnes) concentram 43% das exportações do Brasil. Outro dado é que a China está se tornando o fiel da balança, tanto como compradora de commodities quanto exportadora de produtos industriais.

Se de um lado a questão da elevação das importações descamba para a desindustrialização, por outro lado, fala-se em primarização da pauta comercial. Primarização quer dizer exportação em produtos primários. Piores são outros fatores, como o custo Brasil e a valorização do real, ambos tirando a competitividade dos manufaturados brasileiros. Da mesma forma, o excesso de encargos sobre a folha de pagamento das empresas aumenta o custo de mão-de-obra. Assim, a China faz a festa em mercados onde o Brasil tenta atuar.

Seria desnecessário mencionar quão perigosa é a concentração de exportações. A lógica prega que produtos com maior tecnologia requerem trabalhadores mais bem preparados. Não é o caso do Brasil, cujo problema é ser pouco competitivo em produtos com tecnologia e concentrar a exportação em poucas commodities. Depender de commodities é perigoso, já que a demanda depende muito do crescimento da China ou da recuperação dos Estados Unidos. Outro problema é que os preços das commodities são muito voláteis.

Recentemente, noticiou-se que a Índia começou a avançar nas matérias-primas brasileiras. As vendas de produtos básicos para aquele país saíram de US$370 milhões para US$1,74 bilhão em pouco tempo, principalmente de petróleo e açúcar. O risco é que, como a China, o Brasil passe a importar manufaturados dos indianos, para compensar as commodities vendidas para eles. Ao contrário da China, o mercado indiano é cheio de barreiras tarifárias à comercialização de produtos do setor agrícola, sendo as tarifas médias de importação de 65%.

Se o mercado de produtos agrícolas está conturbado, a proposta da França de estoque global começa a ser detonada, tanto pelos Estados Unidos, quanto pelo Brasil. Na realidade, a idéia francesa é usar o G-20 para regular os preços de produtos agrícolas e criar um estoque mundial de alimentos. Não poderia ser de outra forma: a proposta foi duramente atacada e o governo francês foi acusado de manipular a crise alimentar para defender seus interesses protecionistas. Não deve estar muito longe da realidade.

A proposta do presidente Sarkozy, que inclui intervir em preço e volatilidade dos mercados, faz sentido. A questão é que do outro lado estavam os Estados Unidos e o Brasil, dois dos maiores produtores de commodities do mundo. A ideia francesa é criar uma espécie de “Conab Mundial”, mas acabou sendo vista como uma tentativa de intervenção no mercado. De acordo com negociadores brasileiros, apesar de legítima, intervenção como essa traria mais distorção ao mercado agrícola, e alguns países poderiam se valer para praticar o protecionismo.

Faz bem o Brasil tentar defender sua posição e ao mesmo tempo negociar uma solução para os países pobres não sofrerem tanto com a crise agrícola. A sugestão brasileira passa pela criação de incentivos para a formação de estoques nos países pobres e até a venda de produtos a preços mais baixos. E, no âmbito do G-20, um limite à especulação com produtos agrícolas. Isso vale para a Europa, já que Brasil e Estados Unidos já dispõem de bolsas de commodities muito fortes. Como se pode ver, está cada vez mais difícil chegar a um consenso global.




*Mestre em Administração Internacional e doutor pela USP

 

 Coluna: Opinião
23/11/2016 - Por Junji Abe
Tite, Temer e o Brasil
20/10/2016 - Por Junji Abe
Imposto mata o Brasil
30/08/2016 - Por Junji Abe
Legado dos Jogos Olímpicos
27/06/2016 - Por Junji Abe
Novos desafios
21/06/2016 - Por Junji Abe
Gênero de 1ª necessidade
20/05/2016 - Por Junji Abe
Missão do presente
04/04/2016 - Por Junji Abe
Melhor qualidade de vida
18/03/2016 - Por Junji Abe
Geração perdida
17/02/2016 - Por Walter Ihoshi
Não podemos jogar a tolha
30/12/2015 - Por Junji Abe
Trio do bem
27/11/2015 - Por Junji Abe
Lama da morte
29/09/2015 - Por Junji Abe
Resgate da policultura
14/09/2015 - Por Junji Abe
Terrorismo tributário
12/06/2015 - Por Junji Abe
Dignidade das domésticas
30/04/2015 - Por Junji Abe
Alerta aos aposentados
26/03/2015 - Por Junji Abe
Chega de imediatismo no Brasil
05/03/2015 - Por Junji Abe
Revolta dos caminhoneiros
25/11/2014 - Por Tetsuro Hori
Por que privatizar o sistema de transporte de massa e quais são os principais benefícios
11/04/2014 - Por Walter Ihoshi
A internet e o futuro de um mundo conectado
10/01/2014 - Por Junji Abe
Ranking do Progresso
18/10/2013 - Por Hélio Nishimoto
Para relembrar Hiroshima e Nagasaki
14/08/2013 - Por Hatiro Shimomoto
Bons usos e costumes
para o Brasil
20/07/2013 - Por Walter Ihoshi
Santas Casas na UTI
05/06/2013 - Por Lizandra Arita
Dia das Mães:
Q ue tipo de mãe é você?
19/04/2013 - Por Kunihiko Chogo
Adaptando-se ao jeito
brasileiro de ser
08/12/2012 - Por Keiko Ota
Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência
13/10/2012 - Por Walter Ihoshi
A importância da transparência dos impostos
Por Teruo Monobe
Inflação
Por Teruo Monobe
Equilíbrio fiscal
Por Teruo Monobe
Balança comercial
Por Teruo Monobe
Brasil caro
Por Teruo Monobe
O que se passa
na economia global
Por Teruo Monobe
Discurso de posse
Por Teruo Monobe
2011 e o longo prazo
Por Teruo Monobe
Ano-Novo, tudo
novo em 2011
Por Teruo Monobe
A volta do ouro
Por Teruo Monobe
Novo governo, velho problema
Por Teruo Monobe
Natal gordo
Por Teruo Monobe
Novamente, a Europa em crise
Por Teruo Monobe
Esperando o Plano Dilma

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo